segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Princesa africana

Quando eu vi seus braços abertos
E seu corpo envolto por longas tranças
Seus movimentos suaves
Que pareciam com passos de dança
A sua voz doce
E seu sorriso irradiante
Como os de uma criança
Suas palavras que iluminavam quem estava diante de ti
Foi nesse momento
Ouvindo as suas poesias
Que eu pude sentir
Que a nossa energia ancestral era tão grande
Que a sua força de mulher de origem periférica e negra
Era contagiante
Foi apenas um instante
Pra eu me apaixonar
E quando você se aproximou de mim eu pude confirmar
Que era muito mais do que poderosa e bela
Quantas qualidade eu pude enxergar
Além de inteligente, ainda tinha humildade
A nossa amizade viraria irmandade
Ela era sensível a dor, sensível ao amor
Nada do que ela dizia era sem sinceridade
Se com palavras eu pudesse expressar o que eu sentia
Talvez meu sentimento fosse chamado de empatia
Que significa reconhecer-se no outro
Mas parece que ainda era muito pouco,
Essa palavra ainda não definia
De origem bantu, fui buscar a palavra certa em nossas raízes de negra mulher
E agora eu posso te dizer, Pâmela, minha princesa africana
Ubuntu
Isso significa que eu sou
Porque você é

2 comentários:

pamela silva disse...

Eu amei! :')
Obrigada por mostrar que não é ruim eu ter esse nome...
Não pare de escrever,
Pamela :*

pamela silva disse...

Eu amei! :')
Obrigada por mostrar que não é ruim eu ter esse nome...
Não pare de escrever,
Pamela :*