quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Refletindo sobre o que não existe
Parece que a injustiça persiste
A esperança é a última que morre, mas dessa vez acho que não resiste
O ouro na mão do ladrão e quem luta pra tê-lo olha triste
Diz que não é Deus quem decide que os bens vão pros maus e os males pros bons sem a chance de revide
A insatisfação reside no olhar
Respire fundo tentando abafar
A voz do cansaço a chamar pro leito da conformação
É deitar e apagar!
Evite essa guerra inútil
Onde refletir sobre o azar é algo fútil
Lute o máximo, esgote as forças, espere que notem o esforço
Tá fudido!
Põe em jogo o pescoço a perigo, já perdido, sem encosto
Sufoco num suposto porto amigo
Antigamente eu achava que tudo se ajeitaria naturalmente
Mas atualmente as soluções fogem dos problemas, os mesmos surgem casualmente
Boas notícias anualmente
Agora dizer que eu já to no fim, por favor não aumente
O mal tende a escolher os inocentes
E se eu dissesse o oposto ao que eu penso quem me conhece ia dizer, o Shaw mente
E ainda que o caos atente contra quem sou
Devo aturar e seguir pra tal meta a frente
A casa ruiu, meu mundo caiu
Ninguém nunca viu uma tragédia de destino tão vil
Mas ainda a gente não desistiu
Só que o pavio ainda tá aceso. Sabe da onde?
Eu vou te falar, da segunda bomba que ainda não explodiu
Então é bom que vocês salvem suas peles
Reles dez contos já valem a greve
A conta segue, agora reze pra que ela termine em breve
Essa balança tá quebrada, ela não viu porque é cega
Mas a quem isso fere?
Se refere a mim?
Fudido, só que ainda tenho a minha dignidade, aquela que não vem na identidade
Transmito na fala não só o que aparento
Em lamento com simplicidade, no minímo de inimizade
....

(Morte da Esperança - Shawlin)

Um comentário:

L. disse...

Ótimo texto, nossa!
"Evite essa guerra inútil
Onde refletir sobre o azar é algo fútil"
Gostei disso :]

Um beijo, gata!